Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Guerra das Letras

Procura-se

Procura-se gente que sinta solidão

Que leia poemas às escondidas

Sem planearem o futuro

Durante horas inconsequentes.

Procura-se

Os que não procuram nada

E trocam sorrisos e colam

Sorrisos na caderneta

Da memória intacta.

 

Procura-se gente que sinta,

(Espécie em vias de extinção)

Disponíveis de viajar neles próprios

Em viagens no imaginário

Sem saírem do seu lugar.

Que sintam compaixão por um bêbado

Que não ralhem com crianças

Que não espanquem com palavras

Que contem histórias aos filhos

E nos olhos se acendem

Luzes de concertos no Verão.

 

Procura-se gente

Que não lamente um lamento

Que não se ufane de infâmias

Que faça jus ao ar que respira

Que encontre poemas nas algibeiras

E não os atire ao rio

Para redimir-se do passado possivelmente triste.

Empilhadores de versos

Que saibam repelir a ansiedade

E gerir bem a pressão inevitável da Morte.

 

Procura-se também quem ame

Sem passar o tempo a descobrir diferenças

Entre os rostos do amor e paixão

Sem alinhamento de astros

Nem leituras do zodíaco

Aceitando que o amor

É mais real que todos os deuses.

6 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D